O Poder Psicoterapêutico da Agressividade e da Raiva: A Compreensão da Análise Bioenergética

Jessica Regina Chaves, Perisson Dantas Nascimento

Resumo


O presente estudo objetivou uma compreensão do significado e papel da agressividade e da raiva sob a égide da Análise Bioenergética. Para que tal finalidade fosse alcançada utilizou-se metodologicamente de revisão narrativa da literatura, focalizando as buscas por estudos acerca da temática tanto na visão da Psicologia Corporal quanto da biologia e da teoria reichiana. Foi utilizado um total de 22 referências compostas por livros, artigos e trabalhos acadêmicos encontrados através de fontes de busca na internet e biblioteca pessoal. Percebeu-se que, para a Análise Bioenergética a raiva e a agressividade são componentes naturais do homem, constituindo-se de força energética propulsora para qualquer de nossas ações, não tendo, pois, um caráter maleficente. Se estes componentes são bloqueados, a energia fica acumulada no corpo, tornando o indivíduo enfraquecido e dependente. E, contrapondo-se ao que se pensa, apenas desenvolvendo a capacidade de agredir, podemos tornar-nos saudáveis, evitando a utilização da destrutividade.


Texto completo:

PDF

Referências


CARMO, V. A. do; BIZZO, N.; MARTINS, L. A-C. P. Alfred Russel Wallace e o princípio da seleção natural. Filosofia e História da Biologia, v.4, n.1, p.209-233, 2009.

CASTEL, P. O afeto numa visão psicossomática. Pensamento Reichiano em Revista, Ano III, n.3, p.51-67, 2008.

CASTILHO, F. M.; MARTINS, L. A-C. P. As concepções evolutivas de Darwin sobre a expressão das emoções no homem e nos animais. Revista de Biologia, v.9, n.2, p.12-15, 2012.

CELERI, E. H. R. V.; JACINTHO, A. C. de A.; DALGALARRONDO, P. Charles Darwin: um observador do desenvolvimento humano. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, v.13, n.4, p.558-576, 2010.

CRISTOFOLINI, G. M. A. F. A agressividade infantil vista sob o prisma da Psicologia Corporal. 2009. 52p. Monografia (Especialização em Psicologia Corporal) ˗ Centro Reichiano, Curitiba, 2009.

DARWIN, C. Ódio e raiva. In:___. A expressão das emoções nos homens e nos animais. São Paulo: Companhia das Letras, 2000. Cap.10, p.222-236.

HORTELANO, X. S. Agressividade, sadismo e impulso amoroso no processo de crescimento. In:___. No despertar do século XXI: ensaios ecológicos pós-reichianos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004. p.57-74.

HUNTINGFORD, F. A.; CHELLAPPA, S. Agressão. In: YAMAMOTO,M. E.; VOLPATO, G. L. (Org.). Comportamento animal. 2. ed. Natal: UFRN, 2007. Cap.11, p.289-316. Disponível em: . Acesso em: 20 de julho de 2017.

LOWEN, A. As reações emocionais. In:___. Prazer: uma abordagem criativa da vida. São Paulo: Summus, 1984. Cap.8, p.151-169.

LOWEN, A. O caráter oral. In:___. O corpo em terapia: a abordagem bioenergética. São Paulo: Summus. 1977a. Cap.9, p.153-178.

LOWEN, A. O conceito bioenergético de instinto. In:___. O corpo em terapia: a abordagem bioenergética. São Paulo: Summus. 1977b. Cap.5, p.77-95.

LOWEN, A. Raiva: a emoção que cura. In:___. Alegria: a entrega ao corpo e à vida. São Paulo: Summus, 1997. Cap.5, p.85-108.

LOWEN, A.; PIERRAKOS, J. C. Agressão e violência no indivíduo. Discursos feitos na Community Church. New York City, 1969.

LOWEN, A.; PIERRAKOS, J. C. O ritmo da vida. Palestras ministradas à Community Church. New York City, 1966.

MAIOR, R. P. S.; CORREIA, G. W. de B. Contribuições do Budismo e da Análise Bioenergética para a compreensão da raiva. Revista Latino-Americana de Psicologia Corporal, Ano 3, n.5, p.39-48, 2016.

PORTELA, M. M. Sobre a pulsão de morte na teoria freudiana. 2007. 42p. Monografia (Especialização em Psicologia Clínica) - COGEAE, São Paulo, 2007.

REGO, R. A. Psicanálise e biologia: uma discussão da pulsão de morte em Freud e Reich. 2005. 314p. Tese de Doutorado (Doutorado em Psicologia) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

REICH, W. O caráter masoquista. In:___. Análise do caráter. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998. Cap. XI, p.215-253.

REICH, W. O desenvolvimento da técnica de análise do caráter. In:___. A função do Orgasmo: problemas econômico-sexuais da energia biológica. 9. ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1975. Cap. V, p.63-97.

ROTHER, E. T. Revisão sistemática x revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem, v.20, n.2, 2007.

VIERA, Y. Voracidade. Revista Reichiana, n.5, p.44-62, 1996.

WEIGAND, O. Negatividade: caminho para a essência - uma abordagem de core energetics. Revista Reichiana, n.9, p.56-72, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.