Esclerose Lateral Amiotrófica: Manifestações Psicológicas do Enlutar-se

Silvia Almeida Silva, Cattiúscia Bromochenkel

Resumo


A Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) é uma patologia neurodegenerativa, caracterizada pelo comprometimento dos neurônios motores superiores presentes no córtex cerebral ou nos neurônios motores inferiores presentes no tronco encefálico e na médula espinhal. A perda desses neurônios implica na atrofia de todos os músculos do corpo, levando a perda total da independência funcional do sujeito. Desta forma, esta pesquisa teve como objetivo geral discutir a ELA abordando as manifestações psicológicas dos pacientes acometidos, através de revisão bibliográfica sobre a ELA, cuidados paliativos, luto antecipatório e atuação do psicólogo durante esse adoecimento. Concluímos que esta patologia traz limitações e uma vivência potencialmente desestruturante onde o paciente assiste a sua própria morte. Vemos o papel do psicólogo como organizador da vivência, pois oferece sua escuta ativa, facilitando a expressão dos sentimentos ambíguos que podem ser suscitados de acordo com a subjetividade de cada paciente.


Texto completo:

PDF

Referências


ABRELA, Associação Brasileira de Esclerose Lateral Amiotrófica (2013). ELA: Esclerose Lateral Amiotrófica- Atualizações. São Paulo: Guinon, 2013.

ALVES, R. F., et al. Saberes e práticas sobre cuidados paliativos segundo psicólogos atuantes em hospitais públicos. Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde. 15 (1), 78-96, 2014.

BORGES, C. F.; Dependência e Morte da ‘’Mãe de Família’’: A Solidariedade Familiar e Comunitária nos cuidados com Paciente com Esclerose Lateral Amiotrófica, 2003. Psicologia em Estudo. Disponível em:

BOWLBY, J. Apego e Perda. Perda. Tristeza e Depressão. Vl 03, 3 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

CARDOSO, E. A. O., SANTOS, M. A. Luto antecipatório em pacientes com indicação para o Transplante de Células-Tronco Hematopoiéticas. Ciência & Saúde Coletiva, 18(9): 2567-2575, Ribeirão Preto, 2013

DANTAS, M. M. F., AMAZONAS, M. C. L. A. A Experiência do Adoecer: Os Cuidados Paliativos diante da Impossibilidade da Cura. Revista da Escola de Enfermagem da USP. Recife, 2016.

DENZIN, N. K., LINCOLN, Y. S. Introdução: a disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: DENZIN, N. K. e LINCOLN, Y. S. (Orgs.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, p.15-41. 2006

FERREIRA, A. M. Y.& WANDERLEY, K da S. Sobre a morte e o morrer: um espaço de reflexão. Revista Temática Kairós Gerontologia, 15(n.° especial 12), ‘' Finitude/Morte & Velhice”,pp.295-307. Online ISSN 2176-901X. Print

ISSN 1516-2567. São Paulo (SP), Brasil: FACHS/NEPE/PEPGG/PUC-SP. 2012.

FONSECA, J.P., & FONSECA V , M.I.. Luto antecipatório. In: M. H. P. Franco (Org.). Estudos avançados sobre o luto (pp. 69-94). Campinas: Livro Pleno, 2002.

FREUD, Sigmund. Luto e Melancolia. A história do Movimento Psicanalítico, Artigos sobre a Metapsicologia e outros trabalhos (1914- 1916). Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Vol. XIV, Rio de Janeiro: Imago, p. 245-263,1996.

GROENESTIJN, et al. Associações entre fatores psicológicos e qualidade de vida relacionada à saúde e qualiade de vida global em pacientes com ALS: uma revisão sistemática. US National Library of Medicine Institutos Nacionais de Saúde, V.14. Disponível em: . Acesso em: set. 2017.

KÓVACS, M.J. Morte e Desenvolvimento Humano. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1992.

KÓVACS, M. J. Morrer com Dignidade. In: Carvalho, M.M.J. (Org.). Introdução à psico-oncologia, Campinas: EDITORIAL PSY, v. 1, p. 263- 275, 1994.

KÜBLER-ROSS, Elisabeth. Sobre a morte e o morrer. (2ª Ed.) São Paulo: Martins Fontes, 1969.

LANGARO, F. Salva o Velho: Relato de Atendimento em Psicologia Hospitalar e Cuidados Paliativos. Psicologia Ciência e Profissão, 37(1): 224-235, 2017. Disponível em: https://doig.org/10.1590/1982-3703000972014. Acesso em: out. 2017.

LEITE, B., SILVA, E., CROZARA, M. Esclerose Lateral Amiotrófica e suas complicações. Simpósio de Assistência Farmacêutica, Centro Universitário São Camilo, São Paulo, 2015.

LEBOW, G.H. Facilitating adaptation in anticipatory mourning. Social casework, 57, 458-466, 1976.

LIMA, J. M.B. de. Contribuição para o estudo da esclerose lateral amiotrófica: aspectos clínicos,epidemiológicos e virológicos. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1979.

LUCCHESI, F. et al. Saúde mental na Unidade de Terapia Intensiva. Revista Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar, Rio de Janeiro, v. 11, n.01, p. 19-30, 2008.

NORDON, D.G., ESPÓSITO, S.B. Atualização em Esclerose Lateral Amiotrófica. Revista da Faculdade de Medicina de Sorocaba. São Paulo, v. 11 n. 02, p. 1-3, Marc. 2009. Disponível em: http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes. Acesso em: set. 2017.

PINE, V. An agenda for anticipation of bereavement. In T.A. Rando (Ed.). Loss and anticipatory grief (pp. 39-54). Toronto, ON: Lexigton Books, 1986.

PRODANOV, C. C., FREITAS, E. C. Metodologia do Trabalho Cientifico : Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico, 2ª edição: Novo Hamburgo, RGS: ASPEUR, 2013.

RANDO, T. A. Loss and anticipatory grief. Massachusetts: Lexigton Books, 1986.

REBOREDO, L. A. A dança dos beija-flores no camarão amarelo. Piracicaba: USH DESING, 2010.

ROTHER, E.T. Revisão Sistemática e Revisão Narrativa. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, 2007. Disponível em: . Acesso em: set. 2017.

SALGUEIRO, J.P. Descrição e compreensão dos processos de perdas e luto vivenciados por uma pessoa com Esclerose Lateral Amiotrófica. São Paulo. Dissertação de Mestrado. Universidade São Paulo, 2008.

SILVA, et al. O trabalho do psicólogo em UTI e UCO. In:S. M. (Ed.). A prática psicológica e sua interface com as doenças. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2010.

SILVA, C. S.,et al. Coping espiritual e cuidados paliativos. In F. S. Santos, Cuidados paliativos: diretrizes, humanização e alívio de sintomas (pp.175-182). São Paulo, SP: Atheneu, 2011.

SILVA, S. M. A. Os Cuidados ao Fim da Vida no Contexto dos Cuidados Paliativos. Revista Brasileira de Cancerologia, 62(3): 253-257, 2016.

SILVEIRA, M. C. ELA: Esclerose Lateral Amiotrófica e o Luto e Si Mesmo. Monografia de Conclusão de Curso de Aprimoramento. 4 Estações Instituto de Psicologia. São Paulo, 2011.

TORRES, W. da C. As perdas do paciente terminal : o luto antecipado. Psicologia Argumento, 19(28), pp.7-12, 2001.

XEREZ, Denise Rodrigues. Reabilitação na Esclerose Lateral Amiotrófica: revisão de literatura. ACTA FISIATR, 15(3): 182-188, 2008.

WORDEN, J.W. Terapia do luto: Um manual para o profissional da saúde mental. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (2011). Disponível em: . Acesso em: out. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.