Enredamento narcísico nas timelines virtuais: revisão de literatura à luz das teorias Psicodinâmica e Bioenergética.

Daiane da Silva Sousa, Périsson Dantas do Nascimento

Resumo


Pretende-se com esse trabalho elaborar uma compreensão teórica do comportamento narcisista presente nas redes sociais na ótica da psicanálise e da análise bioenergética. Em nível específico objetivamos descrever o conceito de narcisismo na psicanálise a partir do ponto de vista individual e social, desenvolver uma compreensão caracteriológica do narcisismo na análise bioenergética de Lowen aos autores atuais, correlacionar às ideias da psicanálise e da análise bioenergética com autores que discutem a subjetividade contemporânea nas redes sociais. A medotologia é de cunho bibliográfico, fundamentada na revisão bibliográfica, sustentada teoricamente por autores como Freud e Lowen, a partir dos quais compreendemos como o narcisismo se constitui no processo de desenvolvimento do indivíduo e, por conseguinte nas relações virtuais. Fomos levados à compreensão de que o conceito de narcisismo se faz atual e presente nas redes sociais, assim como o narcisismo pode interferir nos novos modos de subjetivação.

Texto completo:

PDF

Referências


Referências Bibliográficas

ANDRADE, Vitor Manuel. O narcisismo e o mal-estar na civilização: a atualidade do conceito freudiano de narcisismo cem anos após a sua introdução. Rio de Janeiro. Imago, 2014.

FREUD, Sigmund. Introdução ao narcisismo : ensaios de metapsicologia e outros textos. São Paulo : Companhia das Letras, 2010 (1914).

FREUD, Sigmund. Psicologia de grupo e a análise do ego. Rio de Janeiro: Imago, 1921.

JERUSALINSKY, Julieta et. al. Intoxicações eletrônicas o sujeito na era das relações virtuais. Salvador: Ágalma, 2017.

JOHNSON, Stephen. Character Styles. New York: W.W.Norton Publisher, 2001

KERNBERG, Otto. Agressividade, Narcisismo e auto-destrutividade na relação psicoterapêutica. Lisboa: Climepsi, 2006.

LAPLANCHE, Jean. Vocabulário da Psicanálise. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

LOWEN, Alexander. Narcisismo: a negação do verdadeiro self. São Paulo: Cultrix, 1983.

LOWEN, Alexander. O corpo em terapia: a abordagem bioenergética. São Paulo: Summus, 1977.

MELO FILHO, Julio de. O ser e o viver: uma visão da obra de Winnicott. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2001.

MENEZES DE OLIVEIRA E PAIVA, Vera Lúcia, A pesquisa narrativa: uma introdução. Revista Brasileira de Linguística Aplicada [en linea] 2008, 8 (Julio-Diciembre) Disponível em: Acesso 11 mai. 2018.

PRIMO, Alex. De narcisismo, Celebridades, Celetoides e Subcelebridades. Comunicação, mídia e consumo, São Paulo vol.7 n. 20 p. 159-189 nov. 2010. Disponível em: http://revistacmc.espm.br/index.php/revistacmc/article/view/280 Acesso em: 06 jun. 2018.

ROUDINESCO, Elisabeth. Dicionário de Psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998.

SANTOS, Fernanda. O buraco da fechadura das redes sociais vida real versus vida virtual. Disponível em: http://www.conrerp3.org.br/wp-content/uploads/2014/08/Artigo_Nanda-Soares-O-Burraco-da-fechadura-das-redes-sociais.pdf Acesso em: 10 jun. 2018.

SIBILIA, Paula. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

SILVA, Simone Genuino da. Entre filtros e hashtags: Instagram, o novo espelho de narciso. 2013. 53f. Monografia (Comunicação Social). Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró/RN, 2013.

SILVA, Cristiane; TESSAROLO, Felipe. Influenciadores Digitais e as Redes Sociais Enquanto Plataformas de Mídia. XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. São Paulo – SP, 2016. Disponível em: http://portalintercom.org.br/anais/nacional2016/resumos/R11-2104-1.pdf Acesso em: 20 mai. 2018.

SIMÕES, Maria. Sou visto, logo existo: uma análise comparativa dos espetáculos do Instagram, Instagram Stories e Snapchat. 2016. 74f. Monografia (Comunicação Social). Universidade de Brasília, Brasília/DF, 2016.

TONELLA, Guy. O narcisismo no contemporâneo e suas implicações clínicas. São Paulo: SOBAB, 2003.

WINNICOTT, D. Distorção. O Ambiente e os Processos de Maturação. Porto Alegre: Artmed, 1983 (1960).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.