Da arte à terapia: implicações terapêuticas da dança à luz da psicologia corporal

Glenda Gabriely Barroso Fontinele, Périsson Dantas do Nascimento

Resumo


O presente estudo objetivou compreender a dança em sua história como forma de arte até transformar-se em um recurso terapêutico, dialogando com a psicologia corporal. Para que tal finalidade fosse alcançada utilizou-se metodologicamente uma revisão narrativa da literatura, onde foram focadas as buscas por estudos acerca da temática perpassando pela história da dança, métodos que utilizam a dança como recurso terapêutico e a psicologia corporal. Foi utilizado um total de quarenta e quatro referências compostas por livros, artigos e trabalhos acadêmicos encontrados através de fontes de busca na internet e biblioteca pessoal. Percebeu-se com o trabalho que a dança, ao longo dos anos, passou de uma forma artística a também um recurso de terapia e transformação, possibilitando a consciência corporal, expressividade, autorregulação, sensibilidade. Criando, dessa forma, diálogos com a psicologia corporal tendo em vista que ela percebe o ser humano em sua integração corporal, mental e energética.


Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, Jaime. Das danças rituais ao ballet clássico. REVISTA ENSAIO GERAL, Belém, v.1, n.1, jan-jun|2009.

BERTAZZO, Ivaldo. Cidadão corpo: identidade e autonomia do movimento. São Paulo:

Summus, 1998.

BITTENCOURT, Isabela Goulart; et. al.. Dança e consciência corporal de crianças: uma análise bioenergética. In: Encontro Paranaense, Congresso Brasileiro de Psicoterapias Corporais, 2013. Anais. Curitiba: Centro Reichiano, 2013.

BRASIL, Aline Silva. A dança-em-criação: reflexões pedagógicas. O Mosaico – Rev. Pesquisa em Artes/FAP, Curitiba, n.3, p.1-18, jan./junho. 2010.

BÓGEA, Inês Vieira. Ivaldo Bertazzo: dançar para aprender o Brasil. Campinas, SP: [s. n.], 2007.

BOURCIER, P. História da Dança no Ocidente. 2ª Edição. São Paulo: Martins Fontes, 2001. Tradução: Marina Appenzeller

CERRUTO, Elena. Dançaterapia: “como?”. Centro de Formação Internacional em Dançaterapia – DMT, 2005.

CLAUS, Marta. A dança e sua característica sagrada. “Existência e Arte”- Revista Eletrônica do Grupo PET - Ciências Humanas, Estética e Artes da Universidade Federal de São João Del-Rei - Ano I - Número I – janeiro a dezembro de 2005.

FARO, Antonio Jose. Pequena história da dança. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1986.

FIAMENGHI, Aline Ribeiro. A potência da improvisação em dança: uma abordagem arquetípica. São Paulo, 2009.

FUX, Maria. Formação em Dançaterapia. São Paulo: Summus editorial, 1989.

GITELMAN, Claudia. Dança moderna americana: um esboço. Pro-posições - Vol. 9 N° 2 (26) Junho de 1998.

GONÇALVES, Thais. Dança clássica no mundo contemporâneo? Paradoxos, dobras, extensões e invenções. Dança Clássica: dobras e extensões. Joinville: Nova Letra, 2014.

HADZIC, Sharon Lira. Ampliar a consciência corporal por meio da dança. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOTERAPIAS CORPORAIS, XX, 2015. Anais. Curitiba: Centro Reichiano, 2015.

HERNANDES Janete Capel; PORTO Celmo Celeno. Dança do ventre e qualidade de vida com base na psicologia corporal: revisao integrativa. In: CONGRESSO BRASILEIRO e ENCONTRO PARANAENSE DE PSICOTERAPIAS CORPORAIS, XX, 2015. Anais. Curitiba: Centro Reichiano, 2015.

IMBASSAÍ, Maria Helena. Sensibilidade no cotidiano: conscientização corporal. Rio de Janeiro: Editora UAPÊ, 2006.

JOSÉ, Ana Maria de São. Dança contemporânea: um conceito possível?. V colóquio internacional “educação e contemporaneidade”, 2011.

KATZ, Helena. Um, Dois, Três: A dança é o pensamento do corpo. Belo Horizonte: FID Editorial, 2005.

KUNZ, Maria do Carmo Saraiva. Ensinando a dança através da improvisação. Disponível em: < https://periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/view/14661>. Acesso em 25 out. 2018.

LABAN, Rudolf. Domínio do movimento. São Paulo: Summus, 1978.

LE BRETON, David. A sociologia do corpo. Petrópolis: Vozes, 2006

LEITE, Fernanda Hübner de Carvalho. Contato improvisação (contact improvisation) - um diálogo em dança. Movimento, Porto Alegre, v. 11, n. 2, p.89-110, maio/agosto de 2005.

LELIS, Maria Terezinha Carrara. O corpo nos processos de aprendizagem: contribuições de Wilhelm Reich e Alicia Fernandéz. 2006. 201.: il. Tese (mestrado em educação)-Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, 2006.

LOWEN, Alexander. Bioenergética. São Paulo: Summus, 1982.

LOWEN, A. Prazer: uma abordagem criativa da vida. São Paulo: Summus,1984.

MACHADO, Lavinia Teixeira. Dançaterapia no autismo: um estudo de caso. Fisioter Pesq. 2015;22(2):205-211.

MACHADO, Lavinia Teixeira. DESANTANA, Josimari. Dançaterapia e a qualidade de vida de pessoas com deficiência física: ensaio clínico controlado. Revista brasileira qualidade de vida, v. 05, n. 01, jan./mar. 2013, p. 39-52.

MORO, Elizabeth. A dança do ventre como instrumento na psicoterapia corporal para mulheres. In: Convenção Brasil Latino América, Congresso Brasileiro e Encontro Paranaense de Psicoterapias Corporais. 1., 4., 9., Foz do Iguaçu. Anais... Centro Reichiano, 2004.

NAVARRO, F. Metodologia da vegetoterapia. São Paulo: Summus, 1996.

PAINADO, Marcia Maria; MUZEL, Andrei Alberto. A contribuição da dançaterapia no processo de reabilitação. Disponível em: < http://fait.revista.inf.br/imagens_arquivos/arquivos_destaque/opqwrRuJSt95tZS_2014-4-22-15-12-18.pdf>. Acesso em 23 out. 2018.

PERES, Marta. GOLÇALVES, Carlos Alberto. Dança para pessoas com lesão medular – uma experiência de terapêutica. Revista Conexões, v. 6, 2001.

PETO, Ana Carla. Terapia através da dança com laringectomizados: relato de experiência. Rev. latino-am. enfermagem - Ribeirão Preto - v. 8 - n. 6 - p. 35-39 - dezembro 2000.

REICH, W. A função do orgasmo: problemas econômicos-sexuais da energia biológica. 9ª edição. São Paulo: Editora brasiliense s.a., 1975.

REICH, W. Análise do caráter. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

RESENDE, Catarina. O que pode um corpo? O método Angel Vianna de conscientização do movimento como um instrumento terapêutico. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 18 [ 3 ]: 563-574, 2008.

ROTHER, Edna Terezinha. Revisão sistemática x revisão narrativa. Acta Paul Enferm 2007; 20. 2. Vi.

SILVA, Fernanda; CARVALHO, Bruna Araújo; NETO, Álvaro Rego Millen. Dança em cadeiras de rodas e paralisia cerebral: estudo de caso da menina Laura. CONEXÕES: Revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP, Campinas, v. 7, n. 1, 2009 ISSN 1983-930.

STOKOE, P., HARF, R. Expressão corporal na pré-escola. Trad. B. A. Cannabrava. São Paulo: Summus, 1987.

TINOCO, Mariana Machado. Terapia através do movimento como dispositivo de cuidado no SUS. Polêm!ca, v. 15, n.2, p. 01-14, julho, agosto e setembro 2015.

TURNER, Bryan S. Crad. Maria Silvia Mourão. Corpo e Sociedade. São Paulo: Ideias e Letras, 2014.

VIANNA, Angel. Prefácio. In: TEIXEIRA, L. Conscientização do movimento: uma prática corporal. São Paulo: Caioá, 1998. p. 11-12.

VOLPI, José Henrique. Somatização: a memória emocional ancorada no corpo. Curitiba: Centro Reichiano, 2004.

VOLPI, J. H., VOLPI, S. M. Reich – A análise Bioenergética. Curitiba: Centro Reichiano, 2003.

WEIGAND, Odila. Bioenergética: um panorama atual. Revista Reichiana no. 8, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.