Feminino e Adoecimento Contemporâneo à luz da Análise Bioenergética: Experiência de um Grupo de Movimento

Camila Diniz de Carvalho Souza Jordão, Alexandre Franca Barreto

Resumo


Este trabalho tem o objetivo de compartilhar a experiência de facilitadora de um Grupo de Movimento (GM), discutindo a partir disso sobre a saúde mental da mulher à luz da Análise Bioenergética. Tal vivência ocorreu em um centro de estudos e práticas psicológicas no período de estágio curricular em Práticas Clínicas e de Saúde Coletiva, em graduação de psicologia, no sertão nordestino. Estudos demonstram que há relevância neste tipo trabalho, pois apontam um maior risco de as mulheres desenvolverem o sofrimento psíquico. Deste modo, procuramos descrever nossos procedimentos teóricos e metodológica do GM com mulheres, bem como o perfil das mulheres assistidas. Em seguida, procuramos privilegiar uma análise sobre resultados observados no trabalho com destaque para o autocuidado das participantes do grupo, a problematização de padrões femininos proporcionando a reflexão acerca dos seus papéis e funções nas suas atividades diárias e uma flexibilização das suas tensões crônicas musculares.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, L. H. S. G; Viana, M. C.; Silveira, C. M. (2006). Epidemiologia dos transtornos psiquiátricos na mulher. Rev. Psiq. Clín. São Paulo, v.33, n.2, p. 43-54, 2006.

BARATA, RB. (2009). Relações de gênero e saúde: desigualdade ou discriminação?. In: Como e por que as desigualdades sociais fazem mal à saúde [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ. Temas em Saúde collection, pp. 73-94. ISBN 978-85-7541-391-3. Disponível em: Acesso em 08 Jan. 2020.

BARRETO, A. F.; MIRANDA, A. C. S.; LIMA, C. S. O.; SOUZA, C. J. S. (2011). Unidade mente-corpo: a análise bioenergética como um caminho para o cuidado integral à saúde. In: Barreto, A. (Org.) Integralidade e saúde: epistemologia, política e práticas de cuidado. Recife: Editora UFPE, p. 129-149.

BRASIL. (2011). Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação/ Câmara de Educação Superior. Resolução CNE N° 5/2011, aprovado em 15/03/2011, fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. Brasília. Disponível em: Acesso em 05 Dez. 2019.

BRASIL, Ministério da Saúde. (2018). Bioenergética. Conhecendo as Práticas Integrativas e Complementares em Saúde. Brasília. Disponível em: Acesso em 12 Mai. 2019.

CALEGARI, D. ; FONTANELLA, T. C. (2009). A busca do sagrado feminino através da dança e dos movimentos corporais. In: VOLPI, José Henrique; VOLPI, Sandra Mara (Org.). Anais. 14º CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOTERAPIAS CORPORAIS. Curitiba/PR. Centro Reichiano. CDROM. [ISBN – 978-85-87691-16-3]. Disponível em: www.centroreichiano.com.br/artigos Acesso em 24 Mai. 2019.

EIDT, A. C; VOLPI, S. M. (2014). Encontro com o sagrado: o ventre feminino e as suas possibilidades de contato e flexibilização através da Psicologia Corporal. In: ENCONTRO PARANAENSE, CONGRESSO BRASILEIRO, CONVEÇÃO BRASIL-LATINOMÉRICA DE PSICOTERAPIAS CORPORAIS, XIX, XI, III, 2014. Anais. Curitiba: Centro Reichiano, 2014. [ISBN – 978-85-87691-24-8]. Disponível em: www.centroreichiano.com.br/artigos_anais_congressos.htm Acesso em 12 Mai. 2019.

ESTÉS, C. P. (2018). Mulheres que Correm com os Lobos: mitos e histórias do arquétipo da mulher selvagem. 1ª ed. Rio de Janeiro: Rocco.

LOWEN, A; LOWEN, L. (1985). Exercícios de bioenergética: o caminho para uma saúde vibrante. 8ª ed. São Paulo: Ágora.

________. (1997). Alegria: a entrega ao corpo e à vida. 3ª ed. São Paulo: Summus.

________. (2017). Bioenergética. 12ª ed. São Paulo: Summus.

________. (1983). O Corpo em Depressão: As bases biológicas da fé e da realidade. 9º ed. São Paulo: Summus.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. (2016). Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510 de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais cujos procedimentos metodológicos envolvam a utilização de dados diretamente obtidos com os participantes ou de informações identificáveis ou que possam acarretar riscos maiores do que os existentes na vida cotidiana. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf Acesso em 15 Ago. 2019.

NOGUEIRA, T. A.; ALBERTINI, P. (2014). Grupo de movimento: uma revisão da literatura. Mudanças – Psicologia da Saúde, São Paulo, v. 22 (1), p. 61-69, jan-jun. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MUD/article/ view/4832 Acesso em 31 Jul. 2019.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. (2001). Relatório sobre a saúde no mundo 2001. Saúde Mental: nova concepção, nova esperança. Genebra: Organização Mundial da Saúde. Disponível em: https://www.who.int/whr/2001/en/whr01_djmessage_po.pdf Acesso em 12 Mai. 2019.

SANTOS, A. M. C. C. (2009). Articular saúde mental e relações de gênero: dar voz aos sujeitos silenciados. Ciência & Saúde Coletiva, 14(4), 1177-1182. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000400023

SOUZA, F. F; VOLPI, S. M. D. (2017). Empoderamento feminino: a cura através do encontro e das práticas da Psicologia Corporal. In: VOLPI, José Henrique; VOLPI, Sandra Mara (Org.) CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOTERAPIAS CORPORAIS, XXII. Anais. Curitiba: Centro Reichiano, 2017. [ISBN – 978-85-69218-02-9]. Disponível em: www.centroreichiano.com.br/artigos_anais_congressos.htm Acesso em 13 Ago. 2019.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO), (2017). Depression and Other Common Mental Disorders – Global Health Estimates. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/254610/1/WHO-MSD-MER-2017.2 eng.pdf?ua=1 Acesso em 09 Jan. 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.